sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Homilia da Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo


Hoje proclamamos Cristo como rei. Trata-se de um título não isento de ambiguidades. Certamente, não seria Ele um Reino monarca da idade média. Nem se parece com qualquer chefe de estado do nosso século. Seu reinado não é deste mundo.

Há um perigo em chamar Deus de rei. O risco é reforçar uma imagem de Deus que deve ser banida de nossas mentes. Sim, banida! Que se apague a imagem de um Deus dominador, poderoso, arbitrário, impassível, imutável. Aquele que reina acima de nós. Este não é o Deus de Jesus Cristo.

Deus veio até nós. Veio participar do nosso drama, de nossas dores, sofrer o que sofremos, sujar-se com a nossa lama. É preciso que levemos mais a sério o que a teologia chama de quenosis, termo que significa rebaixamento, esvaziamento, aniquilamento de Deus. Devemos levar a sério, que o Pai faz a sua quenosis quando cria, pois a criatura lhe é infiel; que o Verbo faz a sua quenosis quando se encarna, e participa da dor humana, do abandono na morte de cruz; que o Espírito faz a sua quenosis quando vem até a Igreja e em cada coração. Deus se rebaixa, Deus participa da fraqueza, Deus sai de seu pedestal onipotente.

Quantas afirmações sobre a onipotência... É comum o discurso que exalta o poder de Deus, sua vitória, sua força, seu domínio... Entendamos, seguidores do Cristo, que Jesus manifestou quem é Deus: “Ele é a imagem do Deus invisível!” (Cl 1,15). E que imagem é esta? Do servo, daquele que é chamado de rei na cruz, daquele que foi insultado ao morrer, daquele que morreu perdoando... Onde está o seu poder? Onde está o seu domínio? Por que se sujeitou aos ultrajes? Por exibicionismo? Não! Ele assumiu a nossa condição com radicalidade. Em Jesus aprendemos que Deus é todo poderoso no amor e na misericórdia.

“Salva-te a ti mesmo se, de fato, és o Cristo?” (Lc 23,35). “Salva-te a ti mesmo e a nós!” (Lc 23,39). Estas frases não são expressões exclusivas das testemunhas da morte do Filho de Deus... São expressões que surgem na boca e no coração de muitos que vivem os seus dramas humanos e pensam em um Deus que deveria vir, sim, em socorro trazendo a salvação imediata. Então, quantas orações carregadas de rancor e desespero: “Salva-me Deus! Salva-me, porque tu és o Todo Poderoso? Onde estás? Até quando terei que suportar?” A resposta de Deus está na entrega do Senhor, na sua quenosis. Ele não nega a lógica de sua criação, Ele não intervém sempre de modo abrupto para mudar a lógica do mundo que segue sofrendo as dores de parto até o dia de sua redenção. Ao contrário, Ele assume toda esta história de limites e contrariedades e, na solidariedade, vem ao nosso encontro sofrer conosco e nos dar a salvação a partir de baixo. Por que? Eu não sei. Mas mesmo sendo mistério, é fácil perceber que é um mistério de amor...

Até quando o ser humano fabricará um ídolo que está acima dele para fazer os seus favores? A imagem da onipotência, faz-nos onipotentes. A imagem do Deus quenosis, faz-nos humildes e servidores. Escolhamos o nosso Deus.

E acima dele havia uma plaquinha: “Este é o rei dos judeus”. Ironia que não revelava a totalidade de seu ser, pois Ele é o rei de todos nós. Rei na quenosis, Rei no amor, Rei na misericórdia que morre perdoando e oferecendo o Paraíso ao ladrão arrependido... 

Pe Roberto Nentwig

Um comentário:

  1. Realmente oportuna a retomada da "kenósis", sobretudo quando muitos na Igreja se iludem com "pompas e circunstâncias", seja na Liturgia, seja no cotidiano. A esperança é que Francisco, com o apoio das pessoas de boa vontade de dentro e de fora da Igreja, possa recuperar um pouco dos "despojamento" cristão...

    Fernando
    Taguatinga-DF

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS