quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Homilia do 26º. Domingo do tempo Comum – Ano C

As leituras deste domingo continua nos falando sobre o uso dos bens. Temas como a avareza, a cobiça e o apego aos bens são muito próprios no Evangelho de Lucas. O profeta Amós, profeta da justiça social, alerta que, na sociedade, há um grupo que esbanja e, certamente, outro que passa necessidades.

A parábola contata por Jesus relata a inversão dos valores na eternidade: os ricos nada terão e o Reino será dos pobres. Há um grande abismo entre o egoísta e o pobre: ninguém pode se aproximar de quem só pensa em si mesmo, por isso, ele se isola, fica solitário no mundo escolhido por ele mesmo. O inferno é um mundo de isolamento: há um abismo, diz-nos Jesus.
O evangelho deste domingo não deve ser uma condenação dos ricos e nem a salvação incondicional do pobre. O que salvou Lázaro não foi somente a falta de bens, mas a sua humildade. Também o que condenou o rico não foi a posse dos os seus bens em si mesmos, mas o mau uso deles: o esbanjamento, o acúmulo e o egoísmo.

A pobreza é um valor evangélico. A conversão é um processo de empobrecimento. É interessante observar que o Evangelho faz uma relação entre pobreza e escatologia (=estudo das realidades últimas). Há teólogos que definem o purgatório como um processo de última conversão que coincide com o último empobrecimento. Quando deixamos de confiar em nós mesmos, quando deixarmos todos os nossos apegos (materiais e afetivos), quando nossa vida estiver totalmente livre nas mãos de Deus, então estaremos totalmente empobrecidos para entrar no Céu. A Vida Eterna, portanto, será um estado de vida de total entrega a Deus, uma total confiança que será abraçada com o total despojamento. A vida é uma oportunidade para o despojamento gradativo de nós mesmos. Por outro lado, o apego aos bens escraviza, torna a vida um inferno, uma separação total das pessoas e de Deus.

Para quem se satisfaz com relatos sobre os sinais do além e o diálogo com os mortos, o Evangelho deixa claro que não é possível que isso aconteça. O rico quer que o milagre converta seus familiares. Abraão (como um interlocutor de Deus) nos esclarece que se os ricos não vêem o milagre da vida a cada dia, se não são tocados pela Palavra de Deus (Moisés e os profetas), já estão condenados. Há sempre o risco da necessidade de coisas extraordinárias para que aconteça a conversão. Não são os prodígios e nem as visões, mas sim o milagre de cada dia que nos conduz a uma abertura para a vida, para o amor.

Como estamos gastando a vida? Onde está a nossa riqueza e o que significa para nós a pobreza? Do bem viver, do se preocupar com o que vale a pena é que depende a nossa realização e a vida eterna. Cada minuto de nossa vida deve ser bem gasto, deve ser bem aproveitado. A cada instante podemos viver os verdadeiros valores ou deixar os dias passarem sem que a vida tenha seu êxito.


No mundo tão materialista e egoísta, o valor da generosidade perde espaço. O Evangelho nos convida a termos atitude generosa com a vida, com os bens; ensina-nos a partilhar. Santo Ambrósio nos alerta: “Dar aos pobres devolver o que não nos pertence”. Uma parábola do Taoismo nos diz que quando a pessoa vai para o inferno, descobre que lá existe um grande banquete, nada de fogo e enxofre de que falam algumas tradições. As pessoas estão sentadas ao redor de grandes mesas redondas, com pilhas e pilhas de todos os tipos possíveis e imagináveis de pratos deliciosos. Só há um problema: os garfos, colheres e facas são do mesmo tamanho que as mesas, e as pessoas estão se esforçando em vão para comer com esses talheres imensos. Quando alguém chega ao Céu, encontra o mesmo banquete, mas com uma diferença: as pessoas sentadas de lados opostos da mesa dão comida umas para as outras. O Céu depende de nossa atitude generosa.

Pe. Roberto Nentwig

Um comentário:

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS