terça-feira, 28 de maio de 2013

Tamanha fé



Estamos em tempo de festas juninas. Isto expressa uma dimensão de alegria, de sociabilidade e de convivência das pessoas. As entidades religiosas também realizam suas festas neste mês, sintonizadas com o que professam, aglutinando as pessoas com objetivos que favoreçam sua caminhada na cultura da fé.
Estamos também no “Ano da Fé”, por convocação do papa emérito, Bento XVI. Para quem acredita, a fé tem dimensão de vida. Foi o que aconteceu com um oficial romano, que tinha um empregado doente, em quem confiava muito, à beira da morte. Ele pediu a Jesus para curá-lo, mas demonstrando uma atitude de profunda indignidade. Vendo isto, Jesus disse: “Eu vos declaro que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé” (Lc 7, 9).
Visualizamos uma profunda mudança na maneira de entender as pessoas em nosso país nos últimos tempos. A consideração de que a cultura é “laica” não significa que a maioria dos cidadãos não tenha um sentimento religioso e uma prática de fé. Identificar “cultura laica” como falta de fé, é cair em aberrações contra a história.
A fé é aglutinadora e não excludente. Parece que sentimos hoje um sintoma de que ela é destruidora de uma cultura do bem, que dificulta a caminhada da pós-modernidade, marcada pelo individualismo. Acreditar em Deus é ter esperança de que a vida desponta para a eternidade e confirma a fidelidade à verdade.
Muita gente abandona a fé com muita facilidade. Fé quase sempre adquirida através dos princípios familiares ou de entidades religiosas. Não podemos descartar a capacidade de decisão e de liberdade de cada pessoa, mas também não jogar por terra um sentimento marcado e praticado no coração humano.
O Evangelho de Jesus Cristo é sempre o mesmo. Às vezes é trocado por outras práticas que não condizem com os seus ensinamentos. O resultado pode ser um coração vazio e insensível ao que ocasiona verdadeira realização. Podemos estar agradando mais aos homens do que a Deus. Todo endeusamento da pessoa humana é cair em atitudes que não satisfazem sua vida.
Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS