quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

2º. Domingo do Advento – C


O evangelho deste domingo começa nomeando os líderes políticos e religiosos daquele tempo, em uma data bem definida – o 15º. Ano do imperador Tibério: o poder central, com o imperador Tibério e o seu prefeito Pôncio Pilatos; o poder local, com Herodes, Filipe e Lisânias; o poder religioso, com os sumos sacerdotes Anás e Caifás. Estes personagens pertencem à história, e com eles podemos fazer a cronologia de Jesus, de forma aproximada. O 15º. Ano do Imperador Tibério César coincide com o ano 27/28 de nossa era. Lucas afirma que Jesus começou sua pregação com cerca de 30 anos. Herodes administrou a Galiléia até 39 d.C. Caifás ficou sumo sacerdote entre 18-36 d. C. Pôncio Pilatos foi procurador romano entre 14 e 37 d.C.  
Portanto, o evangelho nos evidencia que Jesus viveu em um contexto bem determinado, ou seja, Ele é parte de nossa história, ainda que muitos queiram reduzir a uma fábula. Situar a pregação de João (e depois a de Jesus) entre os grandes poderosos da época ainda tem outro significado: o profeta do deserto é mais importante do que os poderosos; mais importante do que todos eles é o Cristo, aquele que veio nos trazer a salvação. O que aconteceu com Tibério, Herodes, Pilatos, Caifás, Anás? Morreram todos eles e os seus reinos. Por outro lado, a mensagem suave de Jesus de Nazaré, sua pessoa, sua vida, a salvação por ele oferecida continua.
Neste quadro histórico se encontra João Batista. Trata-se de um profeta que surge depois de 300 anos sem profetismo em Israel. Ele rompe o silêncio para preparar o maior acontecimento da história. Asceta do deserto, ele prega um caminho de conversão. Seu estilo nos lembra personagens históricos como Antônio Conselheiro: de barbas longas e roupas pobres, que prega a conversão com severidade. Certamente, Jesus foi mais suave, mas não menos radical.
A voz de João Batista é a grande mensagem deste 2º. Domingo do advento: “Uma voz clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas. Todo vale será aterrado, os montes e as colinas serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados!” (Lc 3,4-5). É como arrumar um armário. Por vezes, é preciso tirar toda a bagunça, para depois colocar tudo em seu lugar. Se alguma coisa está desarrumada na nossa vida, quando chega a um nível crítico, agente resolve colocar no lugar. João resgata a palavra de Isaías, um convite para se aplainar o caminho, para se nivelar as montanhas. O que está precisando ser arrumado na sua vida? O que precisa ser convertido? Será que existe um armário tão desarrumado, do qual caem todas as coisas? Se existe, que tal dar uma arrumada no armário? Que tal dar uma aparada nos montes da vida? O advento é uma oportunidade preciosa que não podemos desperdiçar.
O advento nos convida para um verdadeiro êxodo da terra da escravidão para a terra da liberdade. Deixar as cadeias que nos prendem e voltar para a bondade de Deus que nos ama, na alegria da certeza de que Deus se lembra de nós, de que não se esquece, como nos diz o profeta Baruc.
Na segunda leitura, depois de saudar a comunidade e render graças por tudo o que Deus fez em Filipos, Paulo faz uma prece: “que o vosso amor cresça sempre mais, em todo conhecimento e experiência, para discernirdes o que é melhor” (Fl 1,9-10). Para crescer é preciso saber discernir, ou seja, olhar para a vida com sabedoria, para fazer as melhores escolhas. Note-se que a exortação não é para discernir entre o bem e o mal, mas para escolher o que é tem mais valor (diria outra tradução). A melhor escolha certamente é amor. Para que haja conversão neste advento, o amor deve ser o critério. O que é melhor para a nossa vida? É preciso responder com sinceridade, sem mascarar a verdade. E onde não há amor? Lá certamente poderá haver o que realmente prepara os caminhos para se receber o Salvador. Preparai o caminho do Senhor!

Pe Roberto Nentwig 

2 comentários:

  1. Pe Roberto é muito bom poder contar com pessoas como o senhor que nos ajudam entender melhor a mensagem de Deus para nós.continue a nos iluminar e que o senhor Jesus derrame sobre ti muitas bençãos e sabedoria.
    Um Abraço!!!!
    Sônia de Muriaé-MG.

    ResponderExcluir
  2. A catequese nos convida a cada dia conhecer o pai eterno e simplismente a nos mesmos pela fe e o amor que recebemos de "JESUS CRISTO". LIM

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS