quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Notícias do Sínodo dos Bispos 17 - Pe. Lima


DISCUTINDO AS PROPOSIÇÕES
Trabalho nos Círculos Menores (Grupos)
Hoje não ouve plenário. Todo o dia foi dedicado à discussão das 57 proposições nos 12 círculos menores, também chamados grupos linguísticos, pois nos reunimos por línguas que previamente havíamos escolhidos. Como já disse, fui como assessor no grupo Hispanicus A, bastante numeroso. A maioria era da América Latina (do Brasil estávamos Dom Odilo, Dom Geraldo Lírio e eu), alguns europeus (espanhóis) e outros de países africanos que falam português (Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe...).

Continuou a reclamação da falta de uma tradução em língua mais compreensível já que dispomos apenas do inglês, traduzido para o latim extremamente clássico e difícil. Frequentemente era necessário recorrer ao inglês para entender o latim e vice versa: às a tradução latina expressava melhor a ideia do que o original inglês, ou a ideia estava melhor expressa em inglês que o latim. Eu mesmo tive a oportunidade de corrigir um título que trocava Ministerium por ministrum...

As normas dadas para as discussões nos grupos linguísticos eram bastante rígidas. Não podíamos fazer propostas individuais por escrito; qualquer proposta deveria ser discutida e aprovada por maioria relativa, caso contrário não era aceita. As sugestões seriam apenas para "aperfeiçoar" os textos, sem mexer em seu sentido substancial nem na estrutura. Deveriam se restringir a mudar palavras, fazer citações e fazer pequenos acréscimos para melhorar a ideia já expressa. Como se vê, a redação das 57 proposições apresentadas nessa brochura intitulada "Elechus unicus propositionum" já vinha quase como pronta. O relator do grupo deveria tomar nota de tudo e levar para a reunião dos 12 relatores dos grupos amanhã, junto com a presidência, para elaborarem a redação final.

Apesar de tantas restrições, o nosso grupo trabalhou a tarde de ontem, e nos dois períodos de hoje, manhã e tarde. Foi uma discussão bastante boa. Aparecia, como já havia sido notado, alguma diferença de experiências e mentalidades entre latino-americanos e africanos, e os europeus (espanhóis). Quando eu apresentei a proposta de trocar o título do no. 29 de "Catecismo" para "Catequese, catequistas e Catecismo", o mundo veio abaixo... protesto geral, pois o que o Sínodo queria era acentuar o valor do Catecismo da Igreja Católica e urgir o seu uso na catequese. Argumentei sobre a prevalência da fides qua (resposta pessoal, adesão à pessoa de Jesus) sobre a fides quae (conteúdo, doutrina), mas fui voto vencido. E o pior é que, em todo o Elenco das 57 proposições, não se fala da catequese em si explicitamente, nem dos catequistas. Alguém disse que o texto já falava dos leigos em geral, e isso bastava... imaginem!

A questão do ministério dos catequistas definitivamente não passou, pelo menos no meu grupo. E no Plenário também eu já havia sentido uma resistência a essa ideia... Soube, por outras vias, que no neo-catecumenato os catequistas às vezes passam por cima da autoridade do padre e querem extrapolar seus limites. Daí o medo de alguns em reforçar tal realidade se por acaso a catequese fosse reconhecida como ministério...

A todo momento eu dizia que determinado assunto estava fora de lugar... aliás, comentando minha crônica de ontem, alguns já me fizeram essa observação, através de e-mails, particularmente no cap. III. Então o Moderador (coordenador do grupo) pediu que eu fizesse, ao final, uma proposta e apresentasse no final da tarde por escrito uma nova disposição dos 15 números. Foi o que fiz, redistribuindo a matéria da seguinte ordem: 01 Liturgia; 02 Paróquias e outras realidades eclesiais; 03 Iniciação Cristã e NE; 04 Sacramento da Confirmação e a NE; 05 Catequese com Adultos; 06 Catecismo; 07 Sacramento da Penitência e NE; 08 Domingos e Festas; 09 Teologia; 10 Educação; 11A dimensão contemplativa da NE; 12 NE e opção pelos pobres; 13 Peregrinações e NE; 14 Enfermos; 15 Pontifício Conselho para promover a NE.

A proposta foi aprovada. E também aproveitei para pedir a mudança do título 06 Catecismo, por Catequese, Catequistas e Catecismo. Como disse, em nenhum lugar se fala dos catequistas nem da catequese explicitamente. Com o apoio de Dom Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo, (a palavra de um cardeal pesa muito), conseguimos acrescentar nesse mesmo número, um parágrafo sobre o catequista, através de uma citação do Instrumento de Trabalho e modificando o título desse no. 6 para: Catequistas e Catecismo... O texto poderia ser muito mais aperfeiçoado, mas foi o que conseguimos. O trecho acrescentado foi: 

"Os catequistas são testemunhas diretas e evangelizadores insubstituíveis que representam a força basilar das comunidades cristãs. Têm necessidade que a Igreja reflita com maior profundidade sobre a sua missão, dando-lhes maior estabilidade, visibilidade ministerial e formação" (Instrumentum Laboris 108).

Outros temas bastante discutidos e com modificações aceitas e integradas no texto foram: as relações entre fé e ciência, um pedido para a Santa Sé que dê orientações mais claras e precisas sobre a situação de casais de segunda união ou canonicamente irregulares, inspirando-se na tradição da Igreja Ortodoxa e de outras igrejas cristãs; o texto sobre as comunicações foi muito mais ampliado, não ficando apenas no uso instrumental, mas entrando dentro da cultura midiática gerada ultimamente; deu-se maior importância às universidades e escolas católicas. O texto sobre a Liturgia foi muito mais ampliado e completado, graças à rica contribuição de Dom Geraldo Lírio, arcebispo de Mariana (MG).

Sobre a ordem e sequência dos sacramentos da iniciação para os batizados na infância (batismo, crisma, eucaristia, ou eucaristia e crisma) o texto saiu pela tangente, citando novamente a Sacramentum Caritatis e remetendo o problema para as dioceses e conferências episcopais.

Os trabalhos dos grupos terminaram um pouco mais cedo, de modo que todos puderam retornar antes do horário previsto, para suas residências, menos os 12 relatores dos círculos menores, que se reunirão com a equipe encarregada de unificar as preposições. Eles passarão amanhã todo o dia reunidos e trabalhando na segunda redação das Proposições para apresentá-las na sexta feira, quando haverá uma votação. Os outros, ganharemos um dia mais de vacat, ou seja de tempo livre durante toda a quinta feira.

Ontem ouve a votação definitiva para a composição do Conselho do Sínodo, que irá ajudar o Papa a redigir a exortação apostólica sobre a Nova Evangelização, objeto de nossas reflexões e, depois, preparar o próximo Sínodo (2016 ou 2017). Foram 15 eleitos, três por continente. Para o continente americano foram eleitos: Dom Odilo Pedro Scherer, Cardeal Arcebispo de São Paulo (Brasil), Dom Santiago Jaime Silva Retamales, Bispo Auxiliar de Valparaiso (Chile) e Secretário Geral do CELAM e o Card. Timothy Michael Dolan, Arcebispo de New York (EUA).

Roma, 24 de Outubro de 2012, Quarta feira.
Pe. Luiz Alves de Lima, sdb.

Um comentário:

  1. Estamos acompanhando e atentos aos trabalhos do Sínodo. Espero que a nossa Igreja assuma uma Nova Evangelização que seja verdadeiramente fiel à pedagogia de Jesus Cristo ou seja: profética, missionária, misericordiosa, acolhedora e evangelicamente fazendo a opção pelos pobres e marginalizados em um mundo secularista, individualista e excludente. Acredito que todos nós, catequistas, estamos dispostos a buscar caminhos novos para que a mensagem de Jesus Cristo chegue em todos os cantos.

    João Marcos - Catequista de Crisma - Paróquia N. Srª do Rosário - Ubá - MG
    jmb_vidanova@hotmail.com

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS