terça-feira, 23 de outubro de 2012

Notícias do Sínodo dos Bispos 16 - Pe. Lima


PRIMEIRA REDAÇÃO DAS PROPOSIÇÕES
O longo elenco das 57 grandes afirmações do Sínodo

Antes da abertura dos trabalhos desta manhã, foi lida a mensagem em latim que a presidência do Sínodo enviou a Dom Lucas Ly Jingfeng, Bispo de Fengxiang (China) em resposta à carta que ele mesmo enviara, também em latim. Ele foi prisioneiro durante 20 anos por sua fidelidade à Igreja.
O Card. Tarcísio Bertone, salesiano, Secretário de Estado, anunciou algumas modificações concernentes à Delegação nomeada pelo Papa para levar solidariedade à Síria, em nome do Sínodo. Estão ainda preparando a viagem que, por ter caráter diplomático e político e sendo realizada num país longo conflito interno, torna-se mais difícil. Foi aberta uma conta no Banco do Vaticano, para que todos os participantes do Sínodo contribuam para a ajuda financeira àquele país em guerra.
Foi comunicado que o Papa dará um belo presente a cada padre sinodal: uma cruz peitoral representando o Bom Pastor; embora tomada da cultura pagão, uma das imagens mais frequentes na arte das catacumbas é a do bom pastor. Na cruz está esculpido Cristo, como bom pastor que carrega amorosamente uma ovelha sobre os ombros: significa o cuidado pastoral que o Bispo deve ter com relação a seu rebanho. Cada cruz foi produzida artesanalmente, em prata de lei, pelos mestres ourives de Roma Claudio e Pedro Saví.
O trabalho desta manhã foi todo dedicado à leitura, num latim bastante clássico, das 57 Proposições. A brochura impressa foi entregue a todos os participantes do Sínodo. Ele contém o texto das 57 proposições em latim, com uma tradução em inglês. Muitos reclamaram, pois o latim é por demais difícil e a maioria não entende inglês. Foi explicado que se oferece somente a tradução em inglês, pois seu autor principal, o Relator Geral, é americano. Significa que o latim foi a tradução do inglês... Uma observação inicial diz: "sub secreto" (ainda sob sigilo).
Após a oração da hora média (Tércia), estando presente o Santo Padre, o Relator Geral do Sínodo Dom Donald William Wuerl, arcebispo de Washington, juntamente com o Secretário Especial, D. Pierre Marie Carré, Arcebispo de Montepellier, leram durante mais de duas horas o Elenco único das proposições. São 57 grandes blocos, em geral de meia página, contendo 3 ou 4 parágrafos cada uma, sobre um determinado tema.
Esse é o documento principal do Sínodo, síntese das discussões desses dias, onde são expressas as grandes ideias, as preocupações, reflexões e principalmente as propostas que o Sínodo faz em torno do tema central. É preciso ter presente que elas são dirigidas a toda a Igreja, e não somente à Europa, ou América Latina, com seus problemas específicos. Elas procuram atender a todos os desafios tal como são sentidos por seus pastores presentes no Sínodo. 
Como eu disse ontem, durante o domingo e a segunda feira os relatores dos grupos linguísticos, juntamente com outros dirigentes do Sínodo, fizeram uma síntese daquilo que havia sido proposto pelos Círculos Menores, e em seguida, traduzido para o latim. As mais de 300 proposições foram unificadas por temas e sintetizadas no texto que agora se apresenta. É a primeira redação, pois elas ainda retornarão para os Círculos Menores que farão ainda ajustes (mas não grandes modificações) e, finalmente, serão votadas em Plenário.
À tarde nos reunimos nos grupos linguísticos (circuli minores) para fazer pequenas observações ao texto. Conforme as orientações, a essa altura não se pode mais mexer na estrutura do texto. As propostas poderão ser apenas para "pulir" o texto, palavras ou pequenas expressões que possam ajudar a aperfeiçoar o texto. Muitos viram nisso uma camisa de força, que quase tranca o texto no estágio atual; já não há mais possibilidades de grandes modificações. Outra dificuldade foi a compreensão do texto: o latim é por demais clássico e difícil, e há muita gente que não entende inglês, ou tem apenas uma compreensão superficial... Até parece que tudo contribui para que não se mexa no texto!
Ele está assim construído: após a introdução, com 3 proposições, o texto é dividido nas quatro capítulos, os mesmos que desde a Relação após as discussões, está marcando os rumos dos trabalhos sinodais. São eles: a natureza da NE (9 proposições), o contexto sociocultural onde o ministério da Igreja (13 proposições) , as respostas pastorais a essa situação (15 proposições), os agentes e atores da NE (16 proposições). A conclusão (1 proposição) encerra o conjunto de 57 proposições.
A primeira coisa que observei é que fala muito do catecismo (há um número especial para isso) e não se fala nada da pessoa do catequista, dos catequistas... Por outro lado, dá relevo à catequese com adultos... Mas, isso, só como observação inicial.
Apresento aqui apenas o índice, ou seja, o título de cada uma das 57 proposições:
Introdução: 1. Documentos a serem enviados ao Papa; 2. Agradecimentos do Sínodo. 3. A contribuição das Igrejas Católicas Orientais para a NE.

Capítulo I: A Natureza da Nova Evangelização

4. A Santíssima Trindade, fonte da Nova Evangelização
5. O coração da Nova Evangelização
6. A proclamação do Evangelho
7. Nova Evangelização como aspecto da missão permanente da Igreja\
8. Testemunhas num mundo secularizado
9. A Nova Evangelização e o Primeiro Anúncio
10. O direito de ouvir o Evangelho
11. A Nova Evangelização e a leitura orante da Sagrada Escritura
12. Os documentos do Concílio Vaticano II

Cap. II: O contexto do Ministério da Igreja hoje

13. As provocações do secularismo
14. O ministério da Reconciliação na Igreja e a Nova Evangelização
15. A Nova Evangelização e os direitos humanos
16. A liberdade religiosa
17. Os preâmbulos da fé e a teologia da credibilidade
18. A Nova Evangelização e as comunicações sociais
19. A Nova Evangelização e a promoção humana
20. A Nova Evangelização e a via da beleza
21. As migrações
22. A conversão
23. A santidade e os novos evangelizadores
24. A doutrina Social da Igreja
25. Cenários urbanos da Nova Evangelização

Capítulo III - As respostas pastorais para as circunstâncias de hoje

26. As Paróquias e outros contextos sociais
27. A educação
28. A catequese de adultos
29. O catecismo
30. A Teologia
31. A Nova Evangelização e a opção pelos pobres
32. Os enfermos
33. O Sacramento da Penitência e a Nova Evangelização
34. O domingo e dias festivos
35. A Liturgia
36. A dimensão contemplativa da Nova Evangelização
37. O Sacramento da Confirmação na Nova Evangelização
38. A Iniciação Cristã e a Nova Evangelização
39. As peregrinações e a Nova Evangelização
40. O Pontifício Conselho para a promoção da Nova Evangelização

Capítulo IV - Agentes e participantes da Nova Evangelização

41. A Nova Evangelização e a Igreja Particular
42. A Diocese e a pastoral orgânica
43. Os dons hierárquicos e carismáticos
44. A Nova Evangelização na Paróquia
45. O papel dos fieis leigos na Nova Evangelização
46. As mulheres na Igreja
47. A formação dos Evangelizadores
48. A família cristã
49. A dimensão pastoral do ministério pastoral
50. A vida consagrada
51. Os jovens e a Nova Evangelização
52. O diálogo Ecumênico
53. O diálogo inter-religioso
54. O diálogo entre ciência e fé
55. O átrio dos gentios
56. O meio ambiente

Conclusão: 57. Na escola de Maria.


Roma, 23 de Outubro de 2012, Terça feira.
Pe. Luiz Alves de Lima, sdb.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS