quarta-feira, 11 de julho de 2012

15º. Domingo do Tempo Comum - B


São Paulo nos presenteia neste domingo com um belo texto do Novo Testamento: “Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.(...) Em Cristo Ele nos escolheu, antes da fundação do mundo, para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor.” (Ef 1,3-4). A nossa vida é uma benção, que nos faz bendizer, agradecer e louvar a Deus. Nesta benção está uma escolha, uma predileção que antecede a criação, que se insere no mistério e no coração divino - uma predileção no amor. Aqui está enraizado o sentido da vida humana: responder a esta escolha, que implica chegar a Deus por Cristo Jesus, seguindo seus passos, anunciando a experiência desta escolha e benção, esperando a vida que nos será dada em plenitude, quando tudo for unido em Cristo.

O Senhor nos escolhe no amor e para o amor. Escolhe-nos também para sermos profetas e missionários como vemos na primeira leitura e no Evangelho. A missão tem suas exigências, que não garantem de imediato a sua eficácia, mas trazem maior credibilidade e coerência com a proposta divina. As leituras nos revelam que a palavra chave da missão é a liberdade.
O profeta Amós (1ª. leitura), profeta da justiça social, é livre diante dos poderes políticos e econômicos. Amasias é sacerdote do templo, precisa falar em nome do rei, de acordo com os interesses do reino; por isso tenta calar e afugentar o profeta que incomoda. Por sua vez, Amós não é profeta e nem filho de profeta, ou seja, tornou-se mensageiro por mandato divino, não deve nada a ninguém e, portanto, prega a verdade, denuncia sem medo.

Em nossa vida, devemos ser livres das amarras da corrupção, livres de interesses, livres diante de qualquer pessoa, seja ela pobre ou rica, ornada de cargos ou sem referência alguma. Amós nos ensina que não podemos nos pautar em esquemas que roubam a nossa autenticidade, nossa identidade. A Igreja e os seus profetas devem aprender a lição de Amós, pois em muitas ocasiões preferiu as migalhas do poder e do dinheiro, pensando, por vezes, que estaria fazendo um bem à instituição, enquanto o que estava em jogo era a integridade do nome cristão e da própria Igreja.

No Evangelho, Jesus, ao enviar os doze, “recomendou-lhes que não levassem nada para o caminho, a não ser um cajado; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas.” Não se trata de uma lista a ser seguida a risca. Os evangelhos são contraditórios e confusos ao descrever as renúncias que Jesus propõe neste contexto. Logo o que importa é o sentido: a missão exige despojamento.
Confiamos facilmente em muitas coisas: na nossa capacidade e inteligência, nos bens materiais, no dinheiro acumulado, nos planejamentos. Jesus está nos pedindo mais do que nossa pobreza material, deseja sim o desapego de nosso orgulho, de nossa vaidade, dos interesses que não nos abandonam quando falamos e agimos em seu nome. Por vezes as atividades pastorais são meios para se obter gratificação ou para curar carências, provenientes de lacunas pessoais.

Os meios empregados são também conteúdo evangelizador. Portanto, a Igreja deve cuidar com o que leva no seu alforje. Uma Igreja das cores, do brilho, a eficiência da perfeição ritualista e da multidão pode esconder a perversão da proposta evangélica. Despojar-se e apresentar o Cristo que nos deseja na mesma linha, confiando na graça - eis nossa tarefa.
Jesus enviou os seus discípulos, dois a dois. Nunca envia ninguém sozinho, evidenciando que a partilha e o apoio mútuo são facilitadores. Ninguém pode ser critério de si mesmo, portanto, o outro e a comunidade sempre poderão nos fazer crescer.

Por fim, a mesma missão do Cristo é a nossa missão: converter e vencer o mal. O mundo endemoniado pela desilusão e desespero espera sedento a palavra e o calor das mãos de enviados, espalhados pelo mundo, sinais do Senhor e de sua vitória sobre o pecado, o mal e a morte. Quem os recebe, recebe o próprio Senhor.

Pe Roberto Nentwig

2 comentários:

  1. Boa reflexão, vou usa-la para fazer na celebração do Culto Domingo!

    ResponderExcluir
  2. Boa reflexão, vou usa-la na celebração do culto Domingo!

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS