domingo, 8 de abril de 2012

Mistério Pascal: centro da vida cristã e da catequese

Interrompemos a série de reflexões sobre o Catecismo da Igreja Católica, apenas começada, para tratar do grande mistério que estamos vivendo nesse tríduo sagrado e durante os cinquenta dias que se seguem: o mistério pascal!

A Páscoa é o centro de todas as celebrações da fé cristã, e por isso, a maior festa do nosso calendário litúrgico, ao redor da qual tudo se concentra. Nela revivemos nosso batismo, quando fomos sepultados com Cristo e com Ele ressurgimos para a vida divina de filhos de Deus. 

No início da Igreja os que queriam ser discípulos de Jesus e fazer parte dela, tinham uma longa preparação através da oração, instrução e participação da vida de fé da comunidade. Tudo isto culminava nos quarenta dias da quaresma, cujo ponto alto era o Sábado Santo da Ressurreição: aí eram batizados.

Batismo é uma palavra grega que significa mergulho. O rito de imersão na água significa, e ao mesmo tempo realiza, nossa participação real no mistério da morte (para o pecado) e ressurreição (para a vida) em Cristo Jesus. Somos mergulhados no mistério de Cristo Jesus que nos faz passar da morte para a vida.

Esta era a catequese inicial, que recebia o nome de catecumenato. Todo o processo de crescimento dos catecúmenos na fé estava centralizado na descoberta e iniciação ao mistério de Jesus que morreu pelos nossos pecados e ressuscitou para a nossa santificação, ou seja, era iniciação ao mistério pascal. 

Era um aprofundamento na vida cristã a partir da Morte e Ressurreição de Jesus, de sua Páscoa. Isto se fazia não somente pela instrução, mas principalmente pela leitura e interpretação dos textos bíblicos, pela oração, pelas celebrações que os próprios catequistas conduziam durante os encontros catequéticos e pelo exercício de abandono da vida pagã e adesão a Jesus Cristo através da conversão de vida.

Hoje se diz que a catequese deve ter uma dimensão catecumenal. Isso significa que ela deve estar centralizada, como nos inícios do cristianismo, na pessoa de Jesus que deu a sua vida por nós no sacrifício da Cruz, e foi glorificado pelo Pai pela ação do Espírito Santo na Ressurreição. Ou seja: a catequese deve estar centralizada no mistério da Páscoa. 

Ao contrário do cristianismo primitivo, hoje os que freqüentam a catequese já são batizados, em sua maioria. Neste caso, a catequese será um exercício para reviverem e aprofundarem o próprio batismo, a própria páscoa, pela qual já foram sacramentalmente iniciados na fé. A catequese então torna mais clara e consciente esta iniciação em Cristo Jesus.

O batismo é o sacramento pelo qual somos iniciados na fé. Mas não é só ele. São igualmente sacramentos da iniciação: a Eucaristia e a Crisma. A Eucaristia é o centro de todos os sacramentos e o maior deles. Nela o Espírito Santo torna presente hoje para nós o mesmo mistério pascal realizado historicamente há dois mil anos atrás, através do pão e vinho consagrados que se transformam no Corpo e Sangue do Senhor. Comungando o Corpo e Sangue do Cordeiro de Deus, participamos de sua Páscoa. É o que afirmamos logo depois da consagração, na Missa: “Anunciamos Senhor a vossa Morte e proclamamos a vossa Ressurreição: vinde, Senhor Jesus!”

Pela catequese da Crisma e o recebimento deste Sacramento, os jovens cristãos são conduzidos à maturidade de sua profissão de fé. Assumem mais conscientemente os compromissos do batismo, pelo dom do Espírito Santo, integrando-se mais ativamente na comunidade cristã a que pertencem.

Os outros sacramentos também nos fazem participar da Páscoa salvadora de Jesus. Assim, pelo sacramento da Reconciliação ou Penitência (confissão) somos perdoados de nossos pecados depois do batismo. De fato: através do arrependimento, confissão dos pecados, absolvição do sacerdote e nossas obras de penitência, participamos dos méritos do sangue Jesus derramado na Cruz pelos nossos pecados e de sua Ressurreição, para uma vida nova em Deus. A Unção dos Enfermos permite ao doente unir suas dores às da Paixão do Senhor, transformando seu sofrimento em instrumento de salvação.

O sacramento do Matrimônio concede ao jovem casal a força de viver o mistério pascal um para outro e ambos, para os seus filhos: uma doação total no amor. E por fim, o sacramento da Ordem configura aqueles que são escolhidos para servirem os irmãos na doação total, como Jesus, na Cruz e Ressurreição.

Toda autêntica catequese deve ser sempre pascal; deve levar à descoberta de Jesus vivo e ressuscitado que continua hoje a agir em nós através da Igreja e dos Sacramentos, particularmente pelos sacramentos do Batismo, Confirmação, Eucaristia.

"Cristo, nossa Páscoa, foi imolado,,, "celebremos a festa com sinceridade e verdade" (1Cor 5, 7b-8). "O Cordeiro imolado agora reina vivo. Exultemos e alegremo-nos, aleluia!". Com essas palavras da escritura e da liturgia sagrada, desejo a todos uma feliz e santa Páscoa, no Senhor!

Pe. Luiz Alves de Lima, sdb

3 comentários:

  1. amei vai me ajudar muito na nossa catequese,mara de goiania

    ResponderExcluir
  2. amei e deslumbrei com tanta riqueza de informação, que eu preciso, paz de Cristo!

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS