domingo, 1 de abril de 2012

COMEÇANDO A ESCREVER NESSE BLOG...


Recebi o honroso convite para escrever nesse blog e aqui estou prestando uma pequena colaboração. Como sugestão, me indicaram, discutir e aprofundar, nesse espaço, alguns temas da nossa fé, a partir do Catecismo da Igreja Católica.

É um bom ponto de partida. E, assim sendo, vamos logo nesse primeiro encontro, falar um pouco desse livro da fé, chamado Catecismo.

Trata-se de uma tradição da Igreja Católica, não tão antiga assim, pois começou no século XVI. A Igreja viveu 15 séculos sem catecismos, pelo menos no sentido como entendemos hoje esse instrumento de educação da fé. O livro da fé sempre foi a Sagrada Escritura que alimenta, com o poder da Palavra de Deus, a nossa fé em Deus através de seu Filho Jesus Cristo.

Na verdade, a origem do catecismo como um texto simples, mas substancial e resumido acerca da doutrina cristã, surgiu com Lutero que, em pleno movimento da Reforma, liderada por ele, escreveu dois livros: um menor, chamado Pequeno Catecismo e um maior com o nome de Grande Catecismo. Como os nomes já dizem, trata-se de uma forma menor e mais resumida, e de outra forma mais desenvolvida e aprofundada de apresentar as questões da fé. São Pedro Canísio, contemporâneo de Lutero, membro da nascente ordem dos jesuítas, também escreveu aquele que pode ser considerado o primeiro catecismo católico dos tempos modernos. De fato, na antiguidade houve textos que se aproximam um pouco desse gênero literário de exposição e aprofundamento da fé, como por exemplo, um escrito dos tempos dos Apóstolos (século II) chamado Didaqué. O catecismo de São Pedro Canísio já tinha um tom anti-protestante pois seu objetivo era combater as heresias e erros provocados pela Reforma Protestante, conforme o pensamento católico. Infelizmente esse tom polêmico e apologético (que rebate os erros contra a fé) caracterizou bastante a maioria dos catecismos católicos depois.

A partir do século XVI a Igreja viveu intensamente a Era dos Catecismos. De fato, uma grande quantidade de textos e manuais foram produzidos nesses cinco séculos até hoje no sentido de expor, organizar e ensinar os ensinamentos doutrinais do cristianismo. Isso tanto do lado da Igreja Católica, como da Igreja Reformada em todas suas ramificações posteriores. Grandes teólogos, pedagogos, catequetas (pessoas que se dedicam ao estudo dos fundamentos da catequese) deram importante colaboração para apresentar um resumo da doutrina da fé cristã através de catecismos dos mais variados modelos e gêneros e conforme os diversos momentos históricos e culturais em que viviam.

Alguns, falando de catecismo, logo pensam num texto apresentado em perguntas e respostas. Isso é bastante comum, mas não essencial. É um modo pedagógico de educar, dos mais eficazes: fazer uma boa pergunta e dar uma resposta bastante satisfatória... mas muitos catecismos não seguem esse método; simplesmente apresentam a doutrina cristã em linguagem acessível e resumida.

Só para indicar alguns catecismos da passado, podemos citar, sempre no âmbito da Igreja Católica: o Catecismo dos Párocos (do Concílio de Trento), o Catecismo da Doutrina Cristã do episcopado brasileiro (em 3 partes, de 1904), o Catecismo de São Pio X, o Catecismo Católico Alemã (1958, em português), a Descoberta do Reino de Deus (vários volumes dos anos 60-90, dos salesianos),  A fé para adultos (conhecido como Catecismo Holandês), etc.

Estou acentuando aqui uma particularidade muito especial dos catecismos: eles tratam mais da dimensão doutrinal da fé, do que propriamente de outros aspectos, como a dimensão missionária ou querigmática.  Quem quer evangelizar pessoas que ainda não têm fé em Jesus Cristo, antes de expor a doutrina cristã, de um modo racional, teológico e sistemático, focam mais o anúncio do Evangelho, naquilo que é essencial e mais importante para ser discípulo dEle, como, por exemplo, o encontro vivo e pessoal com a sua divina pessoa de Salvador e Redentor da humanidade, único caminho para Deus, revelado por Ele como Pai.

Isso significa que os primeiros destinatários dos catecismos, são pessoas já evangelizadas. Falando de outro modo: o público alvo dos catecismos sempre foram aqueles que, uma vez já iniciados na fé, ou evangelizados com o essencial da fé cristã, desejam aprofundar o ensinamento do Evangelho de uma maneira mais ordenada, profunda. Em vista de um primeiro anúncio ou aproximação de Jesus Cristo, mais do que os catecismos é muito eficaz a própria Palavra de Deus lida diretamente na Bíblia. Os catecismos, desse modo, são um instrumento precioso e posterior, para aprofundar essa mesma fé, como diz a Primeira Epístola de Pedro, para “dar razões de nossa fé” (3, 15).

É o que pretendemos fazer aqui nesse espaço cibernético: aprofundar temas da fé, a partir, sobretudo, do último dos grandes catecismos que é o Catecismo da Igreja Católica. Na próxima vez, veremos como ele surgiu, seu significado, finalidade, esquema e conteúdo, para, em seguida, entrar mais de perto em seu conteúdo essencial.

            Pe. Luiz Alves de Lima, sdb

2 comentários:

  1. Qual o lugar do catecismo na vida do cristão? Este texto do Pe. Luís busca responder a esta pergunta.O que vem primeiro deve ser o anúncio do evangelho, talvez o querígma, depois, para aqueles que já caminharam um pouco, vem o catecismo,como forma de aprofundamento da própria fé católica.
    O texto é ótimo. Eu não sabia que os primeiros catecismos foram elaborados a partir do século XVI. Quanto a Didaqué, ainda há vestígios?

    ResponderExcluir
  2. Prezado Leitor,

    Quando digo que o catecismo surgiu no séc. XVI, me refiro especificamente a esse gênero literário de exposição doutrinal breve e o mais clara possível, em geral em perguntas e respostas (o que não é essencial; perguntar e responder é apenas um método, aliás excelente, de ensinar... dependendo, naturalmente, da pergunta e da resposta!).

    Encontram-se na História antecessores do "moderno" catecismo do século XVI, como a Didaqué (séc. II), ou doutrina dos apóstolos (pequeno manual pástoral-catequético) que, em certos momentos chegou a ser lida nas celebrações, signficando que era tido como "livro inspirado"...

    Pode-se citar também a Disputatio puerorum per interrogationes et responsiones (Discussão dos jovens através de perguntas e respostas), destinado à formação de futuros sacerdotes (puerorum) ainda da época carolíngia (séc. IX); abrange temas como bíblia, eclesiologia, eucaristia, credo, oração. Outras obras que antecederam os catecismos do século XVI são os lucidários ou declaratórios, verdadeiras sínteses teológicas para sacerdotes dentro do esquema do Credo.

    Um abraço!

    São Paulo, 23 de Abril de 2012 - TEMPO PASCAL

    Pe. Luiz Alves de Lima, sdb

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS