sexta-feira, 11 de novembro de 2011

ENCONTROS DE JESUS:

 COM OS POBRES E MARGINALIZADOS

            Quando Jesus tinha cerca de 30 anos iniciou a sua vida pública (Lc 3,23), anunciando o Reino de Deus. Jesus então deixou a sua pequena vila de Nazaré e foi para Cafarnaum (Mt 4,13; Lc 4,31), que era uma cidade maior e estava situada à beira do Mar da Galiléia. Cafarnaum era também um corredor por onde passavam as caravanas comerciais, políticas, culturais e militares que faziam a ligação entre o norte e o Egito.
            Em Cafarnaum Jesus teve contato com as pessoas que eram exploradas em seus trabalhos, como os pescadores e os trabalhadores nos campos. Havia também os publicanos ou cobradores de impostos (Mc 2,14; Mt 11,19; 21,31-32; Lc 15,1). Eram pessoas desempregadas e que não tendo outro meio de ganhar a vida eram obrigadas ao trabalho ingrato de cobrar impostos. Por isso eram mal vistos pela população e ao mesmo tempo pelo sistema religioso que dizia que esta era uma profissão impura. Jesus acolheu estas pessoas, conversou com elas, foi participar de refeições em suas casas (Mc 2,15-17; Lc 19,6) e permitiu que alguns deles o seguissem.
            Jesus encontrou também muitas pessoas doentes e endemoninhadas e lhe dedicou uma atenção especial. Naquela época, a pessoa que não estava bem, isto é, que não estava em paz (com Shalom) era doente ou possuída por demônios. É importante esclarecer esta diferença. Quando se sabia a causa do mal e também como curá-lo, dizia-se que era uma doença. Exemplos de pessoas doentes: a sogra de Pedro com febre (Mc 1,19-31), o homem da mão atrofiada (Mc 3,1-5), os cegos (Mc 8,22; 10,46-52), o leproso (Mc 1,40), a mulher com ferida sangrando (Mc 5,25-34), etc.
Mas quando a pessoa tinha o corpo perfeito e alguma coisa não funcionava bem, se dizia que tinha um demônio, pois não se sabia a causa e nem como curar a pessoa. O homem que estava na sinagoga (Mc 1,23-28) e começou a falar bobagens tinha um demônio; o rapaz que vivia entre os túmulos e que arrebentava correntes (Mc 5,1-20) era endemoninhado; o menino epilético (Mc 9,14-29), que tinha o corpo normal, sofria ataques e caia no chão tinha um demônio; o surdo mundo (Mc 7,31-37) tinha os ouvidos bons, a língua perfeita, mas não falava, logo devia ter um demônio.
            Pessoas doentes e endemoninhadas eram consideradas impuras e não podiam participar da vida da comunidade. E as autoridades diziam que eram malditas porque não conheciam a Lei (Jo 7,49). E se alguém tocasse nelas também se tornava impuro. Jesus superou este sistema que excluía e marginalizava as pessoas. Por isso, ele tocava nas pessoas (Mc 1,41; 8,23) ou deixava que o tocassem (Mc 3,10; 5,27; 6,56; etc.), curava doentes e expulsava demônios (Mc 1, 34, 3,10; etc.). Algumas vezes foi Jesus que foi ao seu encontro (Mc 1,29; 3,3; Jo 5,14; etc.) outras vezes foram estas pessoas que ouviram falar de Jesus e vieram procurá-lo (Mc 1,32. 37.40; 2,2; 5,6. 27; etc.).
            Jesus também se compadecia diante da multidão faminta que o seguia: “Assim que ele desembarcou, viu uma grande multidão e ficou tomado de compaixão por eles, pois estavam como ovelhas sem pastor” (Mc 6,34), por isso em duas ocasiões realizou a multiplicação dos pães para as multidões (Mc 6,30-44; 8,1-10).
Enquanto o sistema religioso e político excluíam e marginalizavam, Jesus integrava as pessoas, ia ao seu encontro, buscava compreender e ajudar a resolver os seus problemas. Muitas vezes encontramos nos Evangelhos textos que dizem que Jesus se compadecia, isto é, mostrava compaixão a estas pessoas que esperavam um olhar misericordioso da parte de Deus (Mc 3,5; 5,19; 8,2; 9,22; 10, 47, etc.). Todas estas pessoas que se encontraram com Jesus, com certeza, não continuaram iguais. Sentiram a alegria e a misericórdia do encontro com Alguém que se compadeceu de sua situação e mudaram de vida!
 
Frei Ildo Perondi - ildo.perondi@pucpr.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS