sexta-feira, 18 de novembro de 2011

COMO VENCER O STRESS?


Mais que lamentar problemas, precisamos procurar soluções. As preocupações nada resolvem, pelo contrário, multiplicam os males. No lugar delas vamos cultivar as ocupações possíveis. Existe um conjunto de recursos que estão à nossa disposição para resistir e driblar o stress.

O primeiro elemento é o “quinto mandamento”, ou seja, cuidar da saúde, principalmente da saúde preventiva. Alimentação, exercício físico, lazer e espiritualidade adequada, é o caminho de resistência ao stress que costuma-se chamar de “senso de coerência”. Vem em seguida os recursos intelectuais que são formação e informação. A mídia, a escola, a educação tem a missão de explicar as causas das doenças e informar sobre os apoios institucionais disponíveis, leis e direitos, serviços médicos e policiais que estão a serviço da população.

O segundo elemento é cuidado com nossas emoções, a começar pela auto-estima e a capacidade de dar e receber afeto. Nada melhor para a cura e equilíbrio emocional que o perdão e a reconciliação. Ambos tem alto poder terapêutico e harmonizam nossos relacionamentos. No mundo em que vivemos não podemos ser escravos de nossas raivas, nem depósito de negativismos. Perdoar é compreender, é dar chance para quem nos ofendeu, mudar e melhorar. O perdão tem poder de recriar emoções positivas e anular as negativas.

O terceiro elemento é a amizade. Sem a apreciação dos outros, nossos talentos não desabrocham. Todos precisamos ser conhecidos, acolhidos, notados, valorizados, estimados, apreciados. Amizade é fé e confiança em alguém, é entrega prazerosa. Na amizade podemos ser nós mesmos. O resultado da amizade é o autoconhecimento e o crescimento das duas pessoas. Quando falamos em amizade pensamos em seus desdobramentos no casamento, na família, nas associações grupais, na pertença eclesial e esportiva. A amizade, enquanto confiança no outro, é um caminho de encontro com a verdade e uma experiência da descoberta do amor de Deus.  Quem crê no amor de Deus dificilmente cairá no stress, a não ser que, não observe o mínimo das exigências humanas da vida. A força da amizade está em compartilhar idéias, escolhas, interesses. A amizade vale mais que o parentesco pela força da afeição e da benevolência. Só existe amizade entre pessoas de bem. Sem virtude não há amizade. O que percebemos é que pela força da amizade os ausentes estão presentes, os indigentes são ricos, os fracos são cheios de força, os mortos estão vivos na memória. Amizade é remédio contra o stress.

O quarto elemento é a convicção religiosa e cultural pelo caráter convival e socializante de ambas e porque conferem sentido à vida, abrem horizontes de esperança, oferecem respostas coniventes, facilitam o encontro com a transcendência. Tudo se torna possível ao que crê e a fé é uma força, um poder extraordinário de vitória sobre o mal. A religiosidade autêntica impele a pessoa ao altruísmo, ao voluntariado, a doação de si. Este é um dos caminhos mais seguros para felicidade e a iluminação interior.

Um quinto elemento anti-stress é o lazer. Passeio, relax, música, exercício físico, hobby prazeroso, dança, contato com a natureza. O lazer, as férias, o descanso são um ato de respeito e de justiça para conosco mesmos, um direito conquistado. A ambição, a idolatria do “ter” nos faz correr atrás de ilusões. Deixamos a família, a Igreja, as amizades, o lazer e quando nos apercebemos o stress, a depressão, o infarto nos adotam como suas vítimas. É o resultado do consumismo que não respeita nem lei natural, nem a lei divina.

Dom Orlando Brandes
Arcebispo de Londrina

Um comentário:

  1. Oi Angela, muit bom o artigo, porém o mais difícil não é saber e reconhecer estes passos... é conseguir colocar em prática né?

    Paz de Cristo!

    ResponderExcluir

Querido leitor, caso não tenha uma conta google escolha a opção anônimo e deixe seu nome no final do comentário.

Loading...

Cadastre seu email e receba nossas novidades:

Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-catequética

MAPA DE VISITAS